Clima

Os modelos atuais de produção e consumo esgotam a biodiversidade e os recursos naturais. Os gases de efeito estufa que emitimos aceleram as mudanças do clima... Desde 2005, o clima constitui uma prioridade para a AFD. Porque o clima e o desenvolvimento são duas emergências interligadas. Porque no mundo todo, as transições energética e ecológica são indutoras de oportunidades.
Está na hora da ação. O nosso objetivo? Que todos os nossos projetos sejam 100% compatíveis com o Acordo de Paris.
  • logo linkedin
  • logo google plus
  • logo email
Centrale solaire New Era, Inde, panneaux solaires, énergies renouvelables
A ambição da AFD em termos de clima: ser um banco de desenvolvimento 100% compatível com o Acordo de Paris
Centrale solaire NOOR II de Ouarzazate, Maroc  © Francesco Zizola pour l'AFD

Uma atividade "100% Accordo de Paris"

Nova Caledonia, natureza, energias renováveis

Uma atividade "100% Accordo de Paris"

Tomada em 2017, a decisão de promover uma atuação 100% compatível com o Acordo de Paris em todos os níveis do grupo AFD é um compromisso inédito que ilustra a nossa posição proativa em relação ao clima.

Ser “100% Acordo de Paris” significa analisar cada intervenção do grupo à luz da sua coerência com o desenvolvimento de baixo carbono e de resiliência a longo prazo do país em que está sendo executada. Essa análise será completada por uma avaliação da exposição dos nossos investimentos aos riscos do clima, quer sejam físicos ou ligados às políticas de transição de baixo carbono. Essas análises embasarão o Parecer Desenvolvimento Sustentável atribuído aos projetos durante a sua avaliação prévia.

Para ir além na co-construção, com os países parceiros, de planos de combate às mudanças do clima, a AFD está implementando a “Facilidade 2050”, dedicada à elaboração das estratégias de desenvolvimento de baixo carbono e resiliência que todos os países foram convidados a produzir até 2020, conforme as resoluções da COP21.

Esse compromisso vem complementar outro compromisso já assumido pelo grupo: fazer com que 50% dos financiamentos tenham um impacto direto benéfico para o clima. 

Aumentar os volumes de financiamentos destinados ao clima

natureza, terreno, Nova Calédonia

Aumentar os volumes de financiamentos destinados ao clima

Em 2012, a AFD comprometeu-se a fazer com que 50% dos seus financiamentos anuais em estados estrangeiros fossem destinados a projetos com benefícios associados sobre o clima. Esse compromisso foi reafirmado e estendido para todo o grupo AFD. 

A AFD fixou-se o objetivo de atingir 5 bilhões de euros por ano em benefício do clima até 2020 nos estados estrangeiros, com foco especial nos projetos de adaptação (objetivo de 1,5 bilhões de euros até 2020).

Em 2017, o grupo AFD financiou 4 bilhões de euros em 124 projetos para o combate às mudanças do clima. Esse nível de financiamento está em nítida progressão em relação a 2016 (+ 12%) e leva para mais de 29 bilhões de euros o total de financiamentos do grupo desde 2005 em projetos com cobenefício climático. 
 

Reorientar os fluxos financeiros e de investimiento

verde, financiamentos, Indonésia

Reorientar os fluxos financeiros e de investimiento

Além do papel de solidariedade com os países mais vulneráveis e menos capazes de aproveitar as oportunidades da economia “verde”, os bancos de desenvolvimento têm hoje um papel importante de “catalizador” e “reorientador” do investimento público e privado mundial para investimentos adaptados às transições de baixo carbono e de resiliência dos países.

A AFD procura maximizar o efeito de alavanca dos seus financiamentos para a reorientação dos investimentos privados, em grande parte via linhas de crédito para bancos ou financiamentos diretos pela Proparco, a subsidiária do grupo para o financiamento do setor privado. 

Co-construir soluções e influir nas normas

NOOR II - Ouarzazate © Francesco Zizola

Co-construir soluções e influir nas normas

Para influir sobre as práticas relacionadas com o financiamento “clima”, participamos ativamente dos grandes encontros internacionais e dos debates sobre o financiamento do combate às mudanças do clima no âmbito das COPs, Climate Weeks ou, mais recentemente, durante o One Planet Summit.

A AFD está envolvida em muitas iniciativas a favor de uma melhor integração do clima nas estratégias e operações das instituições financeiras – especialmente a iniciativa Mainstreaming Climate Action in Financial Institutions – e a integração dos riscos financeiros climáticos na Taskforce on Climate Financial Related Disclosure.

Credenciada pelo Fundo Verde para o Clima desde 2015, a AFD obteve a aprovação dos dois primeiros projetos de adaptação: um programa de combate às inundações em meio urbano no Senegal e um projeto agrícola em Marrocos.

O papel dos bancos nacionais de desenvolvimento para o clima

One Planet Summit, Paris

O papel dos bancos nacionais de desenvolvimento para o clima

Em outubro de 2017, a AFD foi eleita presidente do International Development Finance Club (IDFC), uma rede única de 23 bancos de desemvolvimento nacionais, regionais e internacionais do mundo inteiro, dos quais 19 são sediados em países em desenvolvimento.

Com financiamentos anuais de cerca de 800 bilhões de euros, dos quais cerca de 20% (158 bilhões de euros em 2016) são dedicados ao clima, o IDFC é a maior financiadora de recursos públicos do mundo para o clima.
 
São vários os eixos de colaboração com o IDFC, especialmente a implementação do Acordo de Paris, a metodologia de contabilização dos financiamentos “clima”, principalmente para a adaptação, ou ainda os compromissos conjuntos do IDFC e do grupo dos bancos multilaterais de desenvolvimento assumidos durante o One Planet Summit, em 12 de dezembro de 2017. 

4,8
milhões de tonelas de CO2 a menos todo ano com os projetos financiados em 2017
29
bilhões de euros financiados para o clima desde 2005
50%
da atividade do grupo AFD têm benefícios associados sobre o clima
100%
compatível com o Acordo de Paris

Secas, inundações, elevação do nível do mar, ciclones etc., o aquecimento do clima faz-se sentir cada vez mais no nosso planeta. Os seus efeitos são muito visíveis nos países em desenvolvimento, que também são os mais vulneráveis, com graves consequências para o homem e o meio ambiente.

Para a AFD, a constatação é clara: o desenvolvimento sustentável e o combate à pobreza não podem ser dissociados do combate ao aquecimento do clima e da proteção do meio ambiente e da biodiversidade.

Por isso a AFD está empenhada há mais de dez anos em benefício do clima, articulando a sua ação em torno de três eixos: a mitigação da mudança do clima, isto é, a limitação das emissões de gases de efeito estufa; a adaptação aos impactos das mudanças climáticas, isto é, a redução da exposição e da vulnerabilidade aos riscos climáticos das pessoas e dos territórios; o apoio aos Estados e entes subnacionais na implementação de trajetórias de baixo carbono e de resiliência contra os efeitos das perturbações do clima.

Nessa perspectiva, oferecemos um amplo leque de ferramentas financeiras (empréstimos, apoio orçamentário, garantias, investimentos em participações ou em doações e assistência técnica). Também mobilizamos recursos provenientes de mandatos europeus e internacionais, tais como o Fundo Verde para o Clima. Por fim, valorizamos os cofinanciamentos com outras financiadoras nacionais e internacionais.

Há pouco reforçamos as nossa ambições em relação ao clima, ao fixarmos um objetivo forte dentro da nova estratégia climática adotada em novembro de 2017: ser um banco de desenvolvimento “100% compatível com o Acordo de Paris”.

Com financiamentos de 29 bilhões de euros aprovados para o clima desde 2005, somos uma das principais agências de financiamento internacionais de combate às mudanças do clima.
 

Interactive map
This map is for illustrative purposes only and does not engage the responsibility of the AFD Group
Geography
Funding type
Antennas
Filters

Geography

Tout cocher
Tout décocher

Funding type

Tout cocher
Tout décocher

Antennas

Display local antennas

Filters

Launch search
See map of all projects

La serre qui libère l’Altiplano

Dans la communauté amérindienne de Caluyo, en Bolivie, l'installation d'une serre permet à l'agriculture locale de s’adapter aux effets déjà perceptibles du changement climatique. La serre sécurise et diversifie l’alimentation des habitants, améliore leur autonomie et créée une activité économique d'avenir. Une petite révolution dans ce village de l'Altiplano, l'une des régions habitées les plus hautes au monde.
Know more