• logo linkedin
  • logo email
Abelhas
Enquanto a segunda Cúpula Finança em Comum se realiza em Roma, em 19 e 20 de outubro, as práticas nefastas de alguns atores em relação ao meio ambiente representam riscos significativos para as instituições que as financiam e, consequentemente, para os poupadores individuais. Inventário.

Natureza e finança estão mais ligadas do que se pensa. De acordo com o Fórum Econômico Mundial, cerca de metade do PIB mundial está ligado à biodiversidade, ou seja, a ecossistemas saudáveis e capazes de fornecer serviços como água de qualidade, polinização de culturas ou controle de pragas de culturas.

No entanto, muitos atores econômicos não percebem que a degradação que provocam na natureza – as populações animais caíram, em média, 68% entre 1970 e 2016, enquanto uma em cada oito espécies vivas está ameaçada de extinção - poderá em breve ter consequências desastrosas.


Ver também: Rémy Rioux: “Um renascimento dos bancos públicos de desenvolvimento” (em inglês)


As instituições financeiras - bancos, fundos, seguradoras e investidores privados - poderiam estar entre os primeiros a suportar o peso, antes que os poupadores que lhes confiam suas economias também sejam afetados. Embora as finanças tenham concentrado grande parte de sua atenção no risco climático, seu interesse começa agora a centrar-se na dependência das empresas à biodiversidade. Três grandes riscos são particularmente identificados.

1O risco físico

Os atores financeiros abundam de empresas cuja atividade depende diretamente de serviços prestados pela natureza. Pode tratar-se de fornecimento de água potável ou de madeira, manutenção de terras cultiváveis, etc. No entanto, basta um declínio das espécies vivas num só lugar para que toda a cadeia se decomponha. É o chamado risco físico.

A polinização assegurada pelos insetos permite que um certo número de atividades agrícolas se mantenha. No dia em que este serviço não for mais tão estável como costumava ser, se houver menos polinizadores em certos anos, por exemplo, é mais difícil prever a atividade econômica e o pagamento de empréstimos pelos agricultores; o financiamento desses atores torna-se mais arriscado do que antes”, diz Julien Calas, pesquisador especializado em biodiversidade da Agence Française de Développement (AFD).

Na mesma linha, certos processos de fabricação na indústria química ou alimentícia dependem de um abastecimento de água cuja regularidade depende dos ecossistemas. Basta que a qualidade ou a quantidade desta já não estejam presentes para perturbar a atividade econômica daí resultante e, consequentemente, os investimentos realizados neste setor.

Quando olhamos mais de perto, todas as nossas atividades econômicas dependem mais ou menos de um estado estável de natureza. Somos fisicamente dependentes da biodiversidade”, continua Julien Calas. Segundo um estudo recente realizado pelo Banque de France com a AFD, 42% do valor das ações e títulos detidos por instituições financeiras francesas são emitidos por empresas que são fortemente ou muito fortemente dependentes de pelo menos um serviço ecossistêmico. Este número leva em conta apenas a atividade direta destas empresas, e não a de seus fornecedores. Mas quando estas dependências a montante são avaliadas, todas as ações e obrigações revelam-se dependentes - ainda que apenas ligeiramente - dos serviços prestados pelos seres vivos através de suas cadeias de valor.

No entanto, os bancos ainda não recolhem dados que lhes permitam avaliar o impacto da erosão da biodiversidade na solvabilidade de seus clientes. “Isto é uma ameaça à estabilidade financeira”, diz Etienne Espagne, economista da AFD. O setor financeiro e, em particular, o regulador, deve abordar estas questões, pois tem um papel importante a desempenhar.

2O risco de transição

Quanto mais uma empresa tem impacto na biodiversidade, mais se expõe a que um dia um governo estabeleça uma nova norma, ou que os consumidores mudem seus hábitos, forçando-a a mudar rapidamente suas práticas, sob pena de se ver em grandes dificuldades. Tal situação pode expor os bancos, fundos e seguradoras que financiam estas empresas. Trata-se do risco dito de transição.

Em maio de 2019, nos Países Baixos, o Conselho de Estado, confrontado com excessos de nitrogênio no ar, nos solos e nos rios, em grande parte provenientes da pecuária intensiva, estabeleceu novas regras estritas que levaram à suspensão das licenças de operação para as atividades mais emissoras de nitrogênio. De um dia para o outro, como não tinham mais permissão para trabalhar, as fazendas se tornaram insolventes para os bancos. Estas últimas não previram que suas práticas não eram sustentáveis, em todos os sentidos do termo.

O risco físico e o risco de transição se reforçam reciprocamente. Quanto maiores forem os riscos físicos, mais justificam uma transição. Por outro lado, quanto mais longa for a transição, maiores serão os riscos físicos envolvidos”, explica Julien Calas.

As instituições financeiras devem, portanto, ser hoje capazes de avaliar tanto a exposição de seus clientes ao risco como as eventuais evoluções de consumo e de regulamentação. “A nível europeu, fala-se hoje de regras que visam evitar o desmatamento importado. As atividades que contribuem para este desmatamento apresentam, por conseguinte, um risco associado à aplicação destas normas. E o banqueiro expõe-se ao risco de empresas financiadas deixarem de ser solventes e não conseguirem mais pagar seus empréstimos”, exemplifica Julien Calas.

3O risco de reputação

Antes mesmo de se criar uma nova regulamentação ou um hábito de consumo, ou de faltar um serviço prestado pela natureza, uma empresa pode ser criticada por suas práticas em matéria de biodiversidade. Todos os cenários são possíveis: boicote dos consumidores, colapso na bolsa, bloqueio da atividade... É o chamado risco de reputação.

Num estudo publicado em 2020, o banco central dos Países Baixos e a agência ambiental neerlandesa PBL foram os primeiros a mencionar o risco de reputação ao qual podem ser confrontadas as instituições financeiras. “A reputação das instituições pode ser prejudicada se, por exemplo, estiverem ligadas ao financiamento de empresas especializadas em óleo de palma, cujas atividades contribuem para o desmatamento e o desaparecimento de espécies animais”, indica o relatório.

Em algum momento, o público pode perceber que uma atividade é realmente prejudicial ao meio ambiente e virar-lhe as costas. Mas isto é algo que é possível antecipar”, explica Julien Calas. Embora os atores financeiros ainda estejam pouco sensibilizados para estes riscos, várias iniciativas públicas e privadas querem hoje contribuir para mudar sua relação com a natureza, em particular, facilitando a medição do impacto das empresas sobre a biodiversidade. Trata-se de um trabalho que está apenas começando.

 

 

Ler igualmente