• logo linkedin
  • logo email
AFD afirma ser uma agência feminista que faz parte da diplomacia francesa preocupada com a igualdade de gênero
Encontro mundial para a igualdade entre mulheres e homens, o Fórum Geração Igualdade (FGI) será realizado em Paris de 30 de junho a 2 de julho. Um encontro particularmente esperado, durante o qual a Agence Française de Développement deve revelar sua estratégia feminista. Visão geral dos pontos-chave

1O FGI anuncia ações concretas

© Aung Naing Oo / AFD

© Aung Naing Oo / AFD

Há quase vinte e seis anos que este Fórum era esperado pela sociedade civil, desde a Conferência Mundial sobre a Mulher de Pequim, em 1995”, destaca Mar Merita Blat, responsável pelas questões de gênero na Agence Française de Développement (AFD). Encontros importantes exigem anúncios importantes. A AFD tenciona abordar, no fórum, a criação e os objetivos do jovem Fonds de Soutien aux Organisations Féministes* (FSOF) que cogere com o Ministério dos Negócios Estrangeiros. Também na agenda, está a apresentação dos resultados sobre o gênero na sequência do trabalho desenvolvido pela coalizão dos bancos mundiais. Esta coalizão procura estabelecer critérios equivalentes de igualdade de gênero no financiamento bancário. Os grupos de trabalho refletem e trocam ideias sobre autonomia, acesso a direitos sexuais e reprodutivos e saúde reprodutiva, combate à discriminação... O FGI é uma oportunidade para construir um roteiro para os próximos cinco anos.

2O Fórum põe em destaque temas novos e essenciais

© Stéphane Brabant / AFD

© Stéphane Brabant / AFD

Esta reunião será uma oportunidade para destacar uma das principais prioridades da França: a saúde e os direitos sexuais e reprodutivos. Com efeito, a abordagem com base nos direitos é essencial para a França. Outro tópico novo é a questão da desigualdade de gênero no contexto das mudanças climáticas.

De fato, a AFD presta especial atenção às vulnerabilidades climáticas ligadas ao gênero: “São todas estas preocupações que estruturam nosso posicionamento no compromisso feminista”, resume Mar Merita Blat.

3Ele confirma a diplomacia feminista da França e o posicionamento da AFD como agência feminista

© Yasin Akgül / AFD

© Yasin Akgül / AFD

A AFD reivindica ser uma agência feminista que se inscreve na diplomacia francesa preocupada com a igualdade entre homens e mulheres”, frisa Mar Merita Blat. Nos últimos anos, a maioria dos compromissos assumidos pela AFD teve por objetivo principal ou significativo a igualdade entre mulheres e homens. Para determinar o lugar atribuído à igualdade de gênero nos projetos, o Comitê de Ajuda ao Desenvolvimento (CAD) da OCDE instituiu três categorias. A primeira é CAD 0: O projeto foi examinado, mas não foi considerado como tendo um objetivo de igualdade de gênero; CAD 1: a igualdade de gênero é um objetivo importante e deliberado do projeto, mas não a razão principal. E, por fim, CAD 2: a igualdade de gênero constitui o principal objetivo do projeto. Em 2020, 67,1% das iniciativas da AFD responderam aos marcadores CAD 1 e 2, quando o objetivo inicialmente fixado era de 40%. Todos estes elementos serão destacados durante o FGI.

4Um fundo de apoio às organizações feministas: tópico principal anunciado no fórum

© Cyril le Tourneur d'Ison / AFD

© Cyril le Tourneur d'Ison / AFD

Em cooperação com o Ministério da Europa e dos Negócios Estrangeiros, o Fonds de Soutien aux Organisations Féministes* (FSOF) será apresentado pela França no fórum, no âmbito de um evento específico com o Canadá. O objetivo do FSOF responde a uma necessidade no terreno: financiar organizações feministas da sociedade civil que muitas vezes têm dificuldade para obter financiamento. Os temas são largos, mas também estão ligados a questões de igualdade de gênero: gênero e clima, educação sexual, empoderamento das mulheres, combate à violência baseada no gênero, etc.

Com um financiamento de 120 milhões de euros em três anos, o FSOF visa ajudar pequenas estruturas feministas no terreno em suas diversas atividades: advocacia, capacitação, ação no terreno, etc. Esta é uma forma de complementar outras iniciativas internacionais ou projetos bilaterais financiados pela França sobre questões de igualdade de gênero.

5O projeto Feministas em Ação ilustra as ações futuras

© Stéphane Brabant / AFD

© Stéphane Brabant / AFD

Trata-se de um dos primeiros projetos relacionados com o Fonds de Soutien aux Organisations Féministes (FSOF) em 2020. O Feministas em Ação focará 31 países e deve responder a questões de igualdade de gênero em termos de acesso ao direito, autonomia, saúde, etc. 65% dos programas serão realizados em países africanos, 35% na América Latina e no Oriente. “Através do projeto Feministas em Ação, apoiaremos organizações de mulheres, jovens e meninas em seus esforços para aumentar sua conscientização sobre seus direitos”, diz Massan d'Almeida, presidente e fundadora do Fundo para as Mulheres Francófonas XOESE em Lomé, Togo. Ela prossegue: “O objetivo é levá-las a refletir de forma crítica e a questionar o papel que lhes é atribuído em suas famílias, comunidades e na sociedade em geral, e a denunciar todas as formas de discriminação e opressão.

Este projeto é uma resposta a uma necessidade muito forte no terreno, como confirma Wendyam Micheline Kabore, diretora executiva da organização de direito burkinabê Initiative Pananetugri para o Bem-Estar da Mulher (IPBF), em Ouagadoudou: “As organizações feministas são em muitos casos a principal ou única fonte de apoio para iniciativas desenvolvidas por pequenas estruturas locais, grupos não registrados por razões práticas ou políticas, organizações recém-criadas, jovens ativistas feministas, etc.” As ações relativas a este projeto terão início neste verão.

Ler igualmente