• logo linkedin
  • logo email
araignée biodiversité Mexique AFD nature écosystèmes
Por ocasião do One Planet Summit, organizado na segunda-feira 11 de janeiro, em Paris, a Agence Française de Développement anuncia um aumento da fração de seus financiamentos climáticos favoráveis à biodiversidade, bem como a duplicação do financiamento diretamente dedicado à proteção dos ecossistemas. Gilles Kleitz, diretor do departamento Transição Ecológica e Gestão dos Recursos Naturais da AFD, explica em detalhes estes anúncios.

Gilles Kleitz AFD expert biodiversitéA AFD anuncia que 30% de seus financiamentos climáticos terão um cobenefício biodiversidade até 2025. O que isto mudará concretamente?

Gilles Kleitz: Os cientistas concordam que não seremos capazes de respeitar o Acordo de Paris sobre o clima, ou seja, limitar o aquecimento global a +1,5 °C ou +2 °C até 2100, sem depender de ecossistemas saudáveis e protegidos: florestas, oceanos, solos... Trata-se de soluções climáticas baseadas na natureza que têm o potencial de fornecer um terço das soluções para mitigar e atenuar as mudanças climáticas e permitir que nos adaptemos.

A ideia que uma comunidade de atores tem compartilhado nos últimos anos é que o financiamento destas soluções baseadas na natureza precisa ser fortalecido. Atualmente, menos de 5% da finança climática é consagrado a este tema. Na AFD assumimos este problema de frente para aumentar a fração de nossa finança climática diretamente positiva para a biodiversidade. Esta participação, de atualmente 20%, aumentará para 30% até 2025. O Reino Unido e a Noruega devem anunciar que seguirão o mesmo caminho até 2030.

Estas ações, que permitem agir simultaneamente em prol do clima e da natureza, são a agroecologia, os desenvolvimentos costeiros, o combate ao desmatamento ou o desenvolvimento de cidades verdes. Trata-se de tornar nosso portfólio climático mais verde, que hoje se apoia grandemente na transição energética. O Presidente da República anunciou que a contribuição internacional da França para o clima aumentaria para 6 bilhões de euros por ano, permitindo igualmente um reforço dos financiamentos da natureza.
 

A AFD compromete-se também a duplicar seus financiamentos consagrados à biodiversidade. Que impactos podemos esperar desta nova ambição?

Em 2020, a AFD afetou 527 milhões de euros à proteção da biodiversidade. Nossa ambição é passar a 1 bilhão de euros por ano até 2025. Este pacote permitirá uma maior participação nos setores de agroecologia, saneamento, gestão de bacias hidrográficas, gestão e proteção de florestas, oceanos e seus recursos, apoiando simultaneamente projetos de desenvolvimento da biodiversidade em áreas urbanas e periurbanas.

Apoiaremos também uma imensa ambição de desenvolvimento ecológico e sustentável no Sahel, financiando, nos próximos cinco anos, projetos locais e nacionais de agroecologia e setores certificados, restauração de savanas, gestão mais sustentável da lenha e sua substituição por energias renováveis menos impactantes, tais como a energia solar, e o combate à degradação das terras, tudo isso relacionado com objetivos sociais em favor das populações rurais, especialmente as mulheres e os jovens. Trata-se do projeto de “Grande Muralha Verde”.

Como a AFD participa da mobilização dos bancos de desenvolvimento sobre estas questões?

Nosso esforço de parceria sobre estes assuntos está tomando agora um rumo particular, alimentando ativamente o diálogo entre bancos públicos de desenvolvimento sobre a biodiversidade. Há um ano, iniciamos um trabalho junto ao International Development Finance Club (IDFC, presidido pela AFD e que agrupa 26 bancos públicos de desenvolvimento) para ajudar cada membro a dotar-se de uma estratégia sobre a biodiversidade, de uma política de risco que reduza a degradação do meio ambiente - principalmente através da criação de uma lista de exclusões de financiamento - e de uma implantação da finança da economia pró-natureza.

A cúpula dos bancos públicos de desenvolvimento “Finança em Comum”, organizada em novembro, permitiu construir uma comunidade de instituições financeiras públicas bilaterais, multilaterais e nacionais favoráveis a uma maior tomada em consideração da biodiversidade. No setor ambiental, os bancos públicos de desenvolvimento têm simultaneamente um papel de treinamento e um papel normativo. Estamos tentando convencer os investidores privados a assumir um pouco mais de risco, com um pouco menos de retorno sobre o investimento, para tentar ter um impacto positivo sobre o planeta.

No plano estritamente financeiro, apoiamos também um esforço de mais de 60 parceiros, bancos privados e públicos, associações de proteção da natureza, governos (entre os quais a França), na criação de regras de acompanhamento das conexões e impactos entre os investimentos financeiros e a biodiversidade. Este grupo, lançado por ocasião deste One Planet Summit, é a “Task Force on Nature Related Risks” (TNFD). Seu trabalho é absolutamente essencial, tal como este tipo de esforço foi para o clima.

Ler igualmente