• logo linkedin
  • logo email
angola-macrodev
Na perspectiva das próximas eleições gerais de 24 de agosto de 2022, a transformação do modelo econômico de Angola, marcado por várias crises desde 2015, é uma das chaves para favorecer uma trajetória de desenvolvimento ao mesmo tempo mais robusta, mais sustentável e mais inclusiva para o país.

Enquanto os angolanos se preparam para votar para eleger seu presidente e seus representantes na Assembleia Nacional, as questões em torno desta eleição são numerosas. Entre a transição política iniciada após a eleição do Presidente Lourenço, que tem dificuldade em tomar forma, e uma economia fortemente exposta às flutuações do preço do petróleo, tudo exige uma transformação necessária das estruturas econômicas. Este prazo será, portanto, mais um passo importante na vida desta jovem nação.

Dois elementos principais precipitaram a necessidade desta transformação. O primeiro provém do choque petrolífero de 2014-2015, que revelou as fragilidades de um modelo econômico extremamente dependente de hidrocarbonetos e que levou a uma forte instabilidade macroeconômica entre 2015 e 2021. O segundo deve-se, desde à entrada em funções de João Lourenço à chefia do país em 2017, às reformas implementadas para melhorar a transparência e a governança do sistema político-financeiro implementado por José Eduardo dos Santos, que faleceu em julho de 2022.

Neste contexto, a nova publicação AFD MacroDev Flash: “Angola: o que está em jogo para a transformação do modelo econômico às vésperas das eleições de 2022?” (unicamente disponível em francês) analisa o início da transformação do modelo econômico que começou nos últimos anos e os vários desafios macroeconômicos e financeiros que esperam os vencedores das eleições de agosto de 2022.

Ler igualmente