Cúpula Finança em Comum: “Uma coalizão de bancos públicos de desenvolvimento para reorientar o sistema financeiro”

published on 27 October 2020
  • logo linkedin
  • logo email
banques publiques développement IDFC AFD Finance in common
De 9 a 12 de novembro, a França sediará a primeira cúpula mundial de bancos públicos de desenvolvimento organizada pela Agence Française de Développement. Audrey Rojkoff, secretária-geral da cúpula e diretora-adjunta de Estratégia, Parcerias e Comunicação da AFD, explica os objetivos do evento.

Audrey Rojkoff AFD

Por que reunir os bancos públicos de desenvolvimento em meados de novembro de 2020?

Audrey Rojkoff: A ideia surgiu em 2019, no International Development Finance Club (IDFC). Presidido pela AFD, este clube reúne os 26 maiores bancos públicos de desenvolvimento nacionais e regionais do mundo. Sua intenção é contribuir muito ativamente para a ação das Nações Unidas contra a mudança climática e o desenvolvimento sustentável. Para tal, pedirão que organizássemos pela primeira vez uma cúpula que reunisse todos os 450 bancos públicos de desenvolvimento do planeta. Isto marcou o início da aventura!

A Cúpula Finança em Comum (Finance in Common – FICS) tem por principal objetivo apresentar os bancos públicos de desenvolvimento. Na sua diversidade, alguns operam apenas a nível local, outros em escala nacional ou internacional, alguns são generalistas, outros são especializados num setor, e suas dimensões são muito variáveis. E na sua unidade, já que possuem uma série de características comuns que pretendemos destacar durante esta cúpula, todos estão a serviço de seus governos, gozam de autonomia financeira e jurídica e podem multiplicar os meios que lhes são conferidos, e dispõem de um mandato para apoiar projetos de desenvolvimento.

Os bancos públicos de desenvolvimento querem também explicar a seus parceiros seu papel e sua razão de ser, apresentar os instrumentos financeiros com os quais podem contar... Em poucas palavras, serem úteis face às emergências de crises sanitárias e ambientais. Discutiremos o que pode ser feito para liberar todo o seu potencial, permitindo-lhes, principalmente, contribuir mais eficazmente para a agenda climática internacional e os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS). Todos os bancos compreenderam a mensagem e aderiram à iniciativa. Trata-se de agir juntos para ter ainda mais impacto no sistema financeiro mundial.


Por que razão o período atual é propício à realização deste encontro?

A crise da Covid-19 torna nossa iniciativa ainda mais necessária, num momento em que é essencial dar um forte impulso ao investimento público, como acaba de dizer a diretora-geral do FMI, que estará, aliás, presente na cúpula.

Num momento em que o financiamento privado está diminuindo, às vezes drasticamente, nos países em desenvolvimento, os bancos públicos de desenvolvimento têm um papel importante a desempenhar. Todos utilizaram na crise instrumentos de recuperação econômica, e se colocam a questão de como conciliar esse financiamento com os objetivos de longo prazo de proteção da natureza e redução das desigualdades. Todos procuram mobilizar o setor privado com o mesmo objetivo.

Que interesses comuns esses bancos perseguem?

Todos procuram soluções para garantir que seus investimentos sejam sustentáveis e solidários. Assim, inventam metodologias para verificá-lo, e devem medir os impactos de suas ações para prestar contas sobre a implementação desses ODS. Por ocasião da cúpula e mais além, há uma necessidade muito forte de que os bancos cooperem mais uns com os outros, e estes o solicitam com força.

Com isso, propusemos formar, por ocasião desta cúpula, uma grande coalizão de todos os bancos públicos de desenvolvimento, que lhes permitirá trocar ideias sobre suas estratégias, para o seu fortalecimento mútuo. Ela multiplicará sua potência e lhes dará uma voz mais forte no cenário internacional, defendendo igualmente um multilateralismo mais robusto: em suma, uma nova forma de abordar a ação coletiva.

O que mais podemos esperar desta cúpula?

Publicaremos um estudo sobre os bancos públicos de desenvolvimento e a base de dados que o acompanha. Projetos concretos serão analisados. Lançaremos novos apoios para que os bancos progridam na sua maneira de investir. Os representantes dos bancos também assinarão uma declaração conjunta que será publicada no final da cúpula.

Mais amplamente, esta cúpula é o início de uma dinâmica destinada a ganhar impulso. Com a COP26, a COP15 sobre a biodiversidade, a cúpula anunciada pelo presidente Macron sobre o financiamento da África ou o Fórum Geração Igualdade, os bancos públicos de desenvolvimento terão muitas oportunidades para se expressar em 2021.
 


O FICS será realizado de 9 a 12 de novembro durante o Fórum de Paris sobre a Paz. Inscreva-se para assistir e participar dos debates: https://financeincommon.org/