• logo linkedin
  • logo email
No Sahel, dar voz aos jovens permite recriar laços sociais
Por ocasião do Dia Internacional da Convivência em Paz, no domingo, 16 de maio, o Grupo AFD recorda como deseja reforçar o laço social nos projetos que financia e acompanha. O desafio? Reduzir todas as formas de desigualdade, mas também reforçar a inclusão social, a fim de contribuir para uma melhor resiliência das sociedades.

A partir da revolução industrial, o crescimento econômico tem sido comumente associado ao bem-estar social. Embora isto pareça ter sido verdade durante décadas, as desigualdades econômicas, sociais e políticas estão crescendo na maioria das sociedades e se tornando um fator de enfraquecimento do laço social.

Por outro lado, a instabilidade e as crises mais recentes, quer humanitárias, alimentares, sanitárias, econômicas, políticas ou ecológicas, geraram uma grande pobreza, com um impacto ainda maior na qualidade do laço social e na capacidade de resiliência das sociedades e indivíduos.

A promoção do laço social, que é simultaneamente o desejo de viver juntos, a vontade de unir os indivíduos dispersos numa lógica de interesse geral e a ambição de uma coesão mais profunda da sociedade como um todo, revela-se, portanto, mais do que nunca, primordial para uma instituição como a AFD, a fim de que suas operações tenham um impacto positivo para as populações.

O laço social na AFD, uma história de terreno

Graças a suas 85 agências que interagem com os beneficiários de seus financiamentos, a AFD visa contribuir para a redução de todas as formas de desigualdade, seja em termos de riqueza, renda ou oportunidade, mas também as ligadas a grupos étnicos, territórios ou gênero.

Por exemplo, em Buenaventura, o projeto “Taller Abierto” da AFD treina e acompanha, em parceria com o grupo Agir e a ONG Taller Abierto, mulheres, crianças e jovens para que possam se defender contra a violência de que são vítimas. Maior porto comercial da Colômbia, esta zona econômica estratégica é também uma das mais perigosas do país, habituada a atividades ilícitas que são combatidas por quadrilhas criminosas que controlam e aterrorizam os bairros. O projeto visa, assim, reforçar a proteção destas pessoas para que se tornem promotoras de seus direitos e da paz, e criar ambientes seguros nas escolas, famílias e comunidades.

Diálogo e inclusão social

O Grupo AFD também pretende fortalecer a inclusão, notadamente enfatizando o diálogo com as partes interessadas nos países parceiros e levando em conta suas expectativas, necessidades e aspirações através de suas operações.

Em Burkina Faso, no Mali e no Níger, o projeto “MediaSahel” reforça as capacidades dos profissionais da mídia local para promover uma melhor disseminação da informação e a abertura de espaços interativos para a expressão de todos, especialmente mulheres e jovens. Embora represente mais de 65% da população da zona Sahel, a palavra da juventude é, com efeito, frequentemente confiscada. Dar-lhes voz permite recriar o laço social e favorece uma melhor compreensão das evoluções societais pelos líderes da sociedade civil e os governantes.

Uma estratégia alinhada com as prioridades apontadas pela França

O objetivo da nova estratégia da AFD “100% Laço Social”, adotada em 11 de março de 2021, é retransmitir em suas operações as orientações e prioridades apontadas pela França (através do novo projeto de lei sobre o desenvolvimento inclusivo e o combate às desigualdades mundiais), mas também fazer eco ao discurso do Presidente da República que lembrou, no Fórum Econômico Mundial em Davos, em janeiro de 2018, a importância do capital humano, sua educação e formação.

Para a AFD, o laço social é a condição para um desenvolvimento sustentável e compartilhado. Ao optar por colocar o indivíduo no centro do desenvolvimento, a AFD participa de um modelo social que reconcilia o Homem e o Planeta e contribui para a realização dos 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da Agenda 2030.


Num mundo em que nos vemos regularmente confrontados com tensões, atos de ódio, rejeição de outros e discriminação, a busca da paz e a vontade de viver em harmonia são mais fundamentais do que nunca”. Audrey Azoulay, diretora-geral da UNESCO

O laço social é, em última instância, o que faz com que uma sociedade se mantenha de pé. […] Para renovar os laços, a promoção dos “comuns” é decisiva. Estádios, piscinas e esportes são mediações importantes. Mas também a língua, a cultura... o que partilhamos em comum é o que nos humaniza e que o “cada um por si” da privatização coloca em risco. […] O antídoto é a transição social e ecológica, um projeto coletivo que leve isso a sério: temos um mundo em comum”. Gaël Giraud, diretor de pesquisa do CNRS, e ex-economista-chefe da AFD


 

Ler igualmente