• logo linkedin
  • logo email
Alliance Afrique Europe 16 février
Às vésperas da cúpula União Africana-União Europeia de 17 e 18 de fevereiro, em Bruxelas, uma conferência organizada na capital francesa pelo Grupo Agence Française de Développement, no âmbito da presidência francesa do Conselho da União Europeia, deve detalhar as modalidades do vínculo renovado entre a África e a Europa, particularmente em termos de investimentos sustentáveis e solidários. A ocasião é também uma oportunidade para rever os resultados do dispositivo Choose Africa, destinado ao empreendedorismo africano, bem como os compromissos reafirmados das instituições europeias de financiamento do desenvolvimento.

Interrogar uma relação entre parceiros pode levar a evocar a semântica, o vocabulário, a natureza de suas interações, mas também, as infraestruturas, a economia, a saúde, a inovação, o clima ou o emprego? Quando se trata de um diálogo entre a Europa e a África, a resposta é sim.  

Durante a conferência de 16 de fevereiro, intitulada “Investir juntos, para uma nova aliança entre a África e a Europa”, organizada na Estação F em Paris, Koen Doens, diretor-geral para Parcerias Internacionais (INTPA) da Comissão Europeia, advertiu desde o início: “Será necessário definirmos juntos uma agenda forte para superarmos juntos os desafios” e acompanhar esta “mudança de paradigma” no setor do investimento solidário, onde o termo “desenvolvimento” não já não corresponde mais às expectativas, em ambos os lados do Mediterrâneo. De agora em diante, “a Equipe Europa avança com a Equipe África, enquanto parceiros”, comemora Koen Doens. “A cúpula de 17 e 18 de fevereiro consagrará esta nova aliança entre a União Africana e a União Europeia.” 

Para Achille Mbembe, filósofo, historiador e professor de história e ciências políticas da Universidade de Witwatersrand (Joanesburgo), “há uma vontade na África de retomar o controle de nossas condições de vida, de controlar nosso próprio destino". Neste contexto, “os termos ajuda pública ao desenvolvimento, a palavra desenvolvimento, não são mais tolerados. E substituí-los por parcerias não será suficiente para resolver a questão: a única luta que vale a pena hoje é a da habitabilidade do planeta, no âmbito de uma aliança de futuros sustentáveis”, prossegue o filósofo, em duplex a partir da África do Sul. 
 
Uma necessidade de evolução que não escapou ao Grupo Agence Française de Développement, que iniciou “um amplo processo de consulta para repensar, não apenas seu próprio nome”, como nos lembrou o presidente da República Emmanuel Macron, que se comprometeu nesse sentido na Nova Cúpula África-França em Montpellier, em 8 de outubro de 2021, “mas, mais genericamente, toda a semântica de desenvolvimento: o que permite fazer esta finança em comum, seus instrumentos, sua gramática”. Pois por trás das palavras, está o método, cuja importância o Presidente lembrou a fim de “continuar o trabalho que concebemos e começamos”.
 
“O que estamos fazendo juntos é muito novo e vai muito além do que ainda chamamos de ajuda pública ao desenvolvimento”, explica o diretor-geral do Grupo AFD, Rémy Rioux. “Algo está surgindo que vai além da mera semântica em torno de nosso nome”. Esta evolução profunda será refletida no próximo Plano de Orientação Estratégica do Grupo, para o qual será lançada uma consulta pública nos próximos dias.
 
O deputado francês Hervé Berville nos lembra, citando Albert Camus, que “nomear as coisas erroneamente é contribuir para o infortúnio do mundo”. “É preciso sair desta noção de desenvolvimento”, diz o representante eleito, relator da lei relativa ao desenvolvimento solidário e ao combate às desigualdades globais. “Isto exige uma revisão da natureza de nossa cooperação com a África. É preciso ter uma visão global de nossa ligação com o continente, para além das questões migratórias: educação, saúde, comércio, clima...” No centro das soluções concretas propostas por Hervé Berville, a proposta de uma “agenda de resultados” baseada na “inovação e avaliação”, assim como a plena confiança dada às sociedades civis: “é preciso de desestatizar a relação com a África.”

“Esta conferência e a cúpula UE-UA representam a oportunidade perfeita para inovar e liderar a dupla transição verde e digital indispensável nos dois continentes”, completa Jutta Urpilainen, Comissária Europeia para Parcerias Internacionais. “Juntos, podemos conseguir.” 

Investir em infraestruturas sustentáveis

Os desafios permanecem numerosos, a começar pela questão central das infraestruturas. Sem uma base sólida, não há desenvolvimento econômico eficaz, nem longo prazo possível. “Não obstante, possuímos um problema de desenvolvimento de infraestruturas na África”, aponta Akinwumi Adesina, Presidente do Banco Africano de Desenvolvimento (BAD).  

Kgosientsho Ramokgopa, chefe do Escritório de Investimentos e Infraestruturas da Presidência da República da África do Sul, concorda e apela à “criação de novas infraestruturas, em todas as áreas, que terão um papel muito importante a desempenhar para o futuro do continente.” Este é o objetivo da ação concertada do Grupo AFD e da União Europeia no acompanhamento da África do Sul rumo a uma transição energética justa.


Saber mais sobre a relação entre o Grupo AFD e União Europeia


Financiar as PMEs, vetores do crescimento africano e dos empregos de amanhã 

O crescimento e o emprego também dependem do financiamento do tecido empresarial africano. Ora, como nos lembra Pape Amadou Sarr, ministro delegado geral para o Empreendedorismo Rápido das Mulheres e dos Jovens na Presidência da República do Senegal, “nossos jovens empresários não precisam de ajuda: precisam de investimentos, de recursos financeiros a longo prazo, de confiança em seus talentos.”

Uma constatação compartilhada por todos os intervenientes, ainda que “não estejamos à altura do assunto em termos de investimentos na África”, responde Jean-Michel Severino, presidente da Investisseurs & Partenaires. E o ex-Diretor Geral da AFD formula uma proposta forte: “Vamos mobilizar 1% da ajuda ao desenvolvimento para a África todos os anos em benefício do empreendedorismo africano. Mudemos de escala!"

Choose Africa, 3 bilhões de euros para o empreendedorismo africano

O dispositivo Choose Africa responde a esta injunção. Quatro anos após o discurso de Ouagadougou, no qual o Presidente da República, Emmanuel Macron, afirmava o compromisso da França em acompanhar a revolução do empreendedorismo na África, o Grupo AFD excedeu o objetivo inicial do Choose Africa com 3 bilhões de euros autorizados no final de dezembro de 2021, em benefício de 26 mil start-ups, MEs e PMEs africanas e de dezenas de milhares de microempresários do continente. Cerca de 250 parceiros locais contribuem para o êxito desta iniciativa em todo o continente africano.

A AFD e sua filial dedicada ao setor privado Proparco colocaram sua expertise e todos os seus instrumentos de financiamento e apoio a serviço dessas empresas que desempenham um papel decisivo na criação de empregos e no acesso a bens e serviços essenciais no continente. Ao todo, mais de 1,5 milhão de empregos são apoiados através desta iniciativa. Cerca de 2 mil e quinhentas empresas beneficiarão igualmente de um acompanhamento técnico.

“A experiência do Grupo AFD, os recursos orçamentários atribuídos pelo governo francês e a expertise de nossos inúmeros parceiros no continente africano fizeram da iniciativa Choose Africa um sucesso”, resume Grégory Clemente, diretor-geral da Proparco. “O impacto desta iniciativa e os efeitos comprovados da crise sobre os empresários nos exortam a prosseguir nossos esforços, adaptando continuamente nossa oferta às necessidades das start-ups e pequenas e médias empresas africanas. O Grupo AFD continuará a desempenhar um papel de liderança na mobilização europeia e internacional em relação a elas.” 

O “Team Europe” do financiamento mobilizado

Além da ação do Grupo AFD sozinho, a Associação das Instituições Europeias de Financiamento do Desenvolvimento (EDFI) publicou uma nova declaração comum para reforçar seu compromisso a favor de uma oferta europeia melhorada. 


Para saber mais sobre as Instituições europeias de financiamento do desenvolvimento (em inglês)


Em consonância com a nova estratégia europeia “Global Gateway” e a necessidade de consolidar uma oferta europeia clara e eficaz, os bancos europeus de desenvolvimento e as instituições financeiras estão aplicando a nova abordagem “Team Europe”. Eles comprometem-se a reforçar sua cooperação, esclarecer e simplificar sua oferta, racionalizar seus procedimentos e substanciar seu impacto, em estreita cooperação com seus parceiros africanos.

Da definição de quadros normativos sustentáveis ao desenvolvimento dos investimentos do setor privado, passando pelo financiamento de projetos de qualidade e de entidades públicas locais sólidas, a cooperação reforçada entre todos os atores europeus constitui uma mudança de escala para um novo tipo de parceria entre a África e a Europa.

Este compromisso é feito em estreita colaboração com todos os bancos africanos de desenvolvimento, membros da Iniciativa Finança em Comum (Fics), a fim de multiplicar o impacto de uma ação comum forte realizada no âmbito dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS).

Ao final de um dia crucial no processo de redefinição da parceria entre os continentes africano e europeu, o presidente francês Emmanuel Macron, resumiu os debates numa frase: “É preciso mudar o software profundo de nossa relação.” Como em eco, Macky Sall, presidente da República do Senegal e presidente em exercício da União Africana, dirigiu amigavelmente àquele que é também o presidente em exercício do Conselho da União Europeia uma forma de desafio: “Se não conseguirmos fazer as coisas avançarem juntos, então nunca conseguiremos!”

Ler igualmente