• logo linkedin
  • logo email
visuel POS 2018-2022
Para melhor atender aos novos desafios do desenvolvimento e à ambição do governo francês, a AFD adota uma nova estratégia para o período 2018-2022. Na ementa: um eixo, compromissos estruturantes e uma nova maneira de atuar. Esta estratégia foi apresentada no dia 3 de setembro de 2018 durante a visita à AFD do Ministro da Europa e Relações Exteriores, Jean-Yves Le Drian, e do Secretário de Estado, Jean-Baptiste Lemoyne.

A agenda de desenvolvimento passou por profundas revisões nos últimos dois anos, com os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), o Acordo de Paris sobre o clima e a ambição do governo francês de aumentar o financiamento público para desenvolvimento para 0,55% do rendimento nacional bruto por ano em 2022.

O Presidente da República fez da política de desenvolvimento uma das prioridades do seu mandato de cinco anos. Esta prioridade requer uma renovação desta política!

Jean-Yves Le Drian, Ministro da Europa e dos Negócios Estrangeiros
Conf presse LD AFD
© Alain Goulard / AFD


A nova estratégia da AFD, principal protagonista da política francesa de desenvolvimento, é o resultado de uma reflexão de um ano que inclui um amplo trabalho de consulta junto aos nossos parceiros em todo o mundo, como também de cidadãos franceses e da sociedade civil em nossos países de atuação. Ela fortalece o lema do grupo ("Um mundo em comum") e o duplo objetivo de alcançar um nível satisfatório de desenvolvimento humano, respeitando o equilíbrio do planeta. "A ambição, explica Rémy Rioux, Diretor Geral da AFD, é tornar a política de desenvolvimento uma verdadeira política de investimento solidário."

5 compromissos estruturantes

Em detalhe, essa estratégia é refletida principalmente em 5 compromissos estruturantes: 

  • 100 % Acordo de Paris: todos os nossos financiamentos agora precisam ser compatíveis com um desenvolvimento de baixo carbono e resiliente às mudanças climáticas. Para a AFD, trata-se também de mobilizar investimentos públicos e privados nessa direção.
  • 100 % inclusão social: todos os nossos projetos devem fortalecer a inclusão social e o bem-estar das populações, em especial, através do acesso à educação e à igualdade de gênero.
  • Desenvolvimento em 3 D: trata-se de intervir em contextos de crise e fragilidade ao lado de outros atores para satisfazer o terceiro D do tríptico "Defesa, Diplomacia e Desenvolvimento".
  • Priorizar os atores não soberanos: Contribuir mais fortemente para o financiamento de atores não soberanos - setor privado, governos locais, organizações da sociedade civil, fundações ... - a fim de os orientar na direção de soluções sustentáveis.
  • Priorizar parcerias: Os projetos estarão sistematicamente abertos a novos atores para ampliar o compartilhamento de experiências e melhorar sua eficiência.
Uma nova abordagem focada no conceito de transição

A AFD também apoia a ideia de que todos os países, do norte e do sul, estão em transição rumo a um mundo no qual a pegada ecológica será baixa e o índice de desenvolvimento humano (IDH), alto. Nesta lógica, cabe agora a todos definir novos modelos de desenvolvimento.

Todos os países estão em transição e devem estabelecer trajetórias para conciliar clima, inclusão social e prosperidade.

Rémy Rioux, Diretor Geral da AFD
A inovação no coração do projeto AFD

A fim de antecipar os desafios futuros, agregar mais valor às operações e pensar no desenvolvimento de amanhã, a AFD coloca agora a inovação entre suas diretrizes centrais. O objetivo: refletir constantemente sobre seu papel em um mundo em movimento.

Seus projetos de pesquisa (estudos, modelagens, avaliações, coordenação de redes de especialistas ...) ganharão força. O objetivo é promover o compartilhamento de conhecimento entre países e atores locais e promover práticas inovadoras para antecipar melhor as mudanças futuras.

Uma nova geografia de ação

Para melhor atender às necessidades específicas de cada território, a AFD também está aprimorando sua grade de leitura do mundo, definindo três novas áreas de ação: 

  •  "Toda a África", para contemplar a verdadeira importância do continente.
  • "Os Três Oceanos", para integrar os Territórios Ultramarinos na sua bacia regional.
  • "Américas" e "Orientes", onde o foco está no desenvolvimento de baixo carbono.
A AFD como plataforma

Finalmente, a AFD antecipa o aumento da ajuda pública ao desenvolvimento, posicionando-se como a plataforma bilateral da política francesa. Ser uma plataforma é receber, articular e projetar para os países emergentes e em desenvolvimento todos aqueles que podem agregar recursos, expertise e capacidades de ação. A AFD e suas filiais – a Proparco e logo mais, a Expertise France – possuem a capacidade e têm a responsabilidade de desempenhar este papel, combinando projeção internacional e mobilização dos atores franceses e europeus.
 


Download: Estratégia 2018-2022 (síntese)

Ler igualmente