Mobilidades e transportes

A mobilidade das pessoas e dos bens é indispensável para o acesso ao emprego e aos serviços essenciais, o funcionamento da economia produtiva, e para que as cidades permaneçam eficientes e viáveis.
A AFD apoia sistemas de mobilidade que combinam infraestruturas, serviços e regulamentações para que os deslocamentos de cada ator possam ser realizados com soluções eficientes, equitativas e sustentáveis.
  • logo linkedin
  • logo email
linha de eléctricos, Rabat-Salé, Marrocos, transporte
A AFD E AS MOBILIDADES: GARANTIR PARA TODOS UM ACESSO A TRANSPORTES SEGUROS, “VERDES” E EFICIENTES
métro, transport, villes durables, Istanbul, Turquie

Promover cidades viáveis e inclusivas

linha de autocarro, Curitiba, transporte, Brasil

PROMOVER CIDADES VIÁVEIS E INCLUSIVAS

Até 2050, 70% da população mundial estarão vivendo nas cidades. 90% dos 2,7 bilhões de novos habitantes urbanos estarão em países em desenvolvimento. Torna-se crucial, no Sul, preservar, construir ou reencontrar cidades “viáveis”, apesar do desenvolvimento econômico rápido e do aumento dos fluxos urbanos (homens e mercadorias), tanto nas megalópoles já constituídas quanto nas cidades médias em forte crescimento, nos grandes países emergentes quanto nos países mais pobres.

Até o momento, a AFD financiou principalmente infraestruturas de transportes coletivos “de massa” (metrô, VLT, BRT). O novo marco de intervenção amplia o campo de atuação da AFD, para que ela possa:

  • apoiar a elaboração e a implementação de políticas públicas de mobilidade sustentável, no plano nacional e subnacional (planejamento, governança, mecanismos de financiamento, fortalecimento dos atores);
  • financiar todos os componentes de uma política de mobilidade sustentável: otimização dos fluxos de veículos, percursos exclusivos para pedestres e ciclistas, mobilidade elétrica etc.;
  • pôr a mobilidade a serviço da “qualidade da cidade” e construir uma visão de longo prazo que integre o transporte com o urbanismo (planejamento);
  • apoiar a modernização do transporte informal, principal modo de transporte urbano do Sul.
  • buscar sempre integrar inovações de transformação digital e energética dos serviços de mobilidade.

Desenvolver o potencial do território nacional

Transgabonais, Gabão, trem, transporte

DESENVOLVER O POTENCIAL DO TERRITÓRIO NACIONAL

No plano nacional, o desenvolvimento econômico de um país depende da conexão e da valorização dos polos de desenvolvimento principais e secundários, com vistas a promover uma distribuição equilibrada das bacias de emprego, de serviços e, portanto, das populações. Um desenvolvimento que passa por “conectores” como as estradas, o trem, ou ainda as vias fluviais.

Nos países do Sul, para além das megalópoles e das capitais regionais, o rápido desenvolvimento das “pequenas cidades” é um grande desafio. Os sistemas de transporte são essenciais para garantir a todos um acesso aos serviços, aos empregos e aos mercados para as produções agrícolas locais.

Nesse âmbito, a nossa ação visa:

  • consolidar a malha nacional ao privilegiar a reabilitação e o fortalecimento de infraestruturas existentes;
  • melhorar os acessos do mundo rural para facilitar a sua integração no território;
  • promover a melhoria da governança das operadoras públicas, especialmente as políticas de manutenção;
  • integrar a segurança do trânsito de forma mais ambiciosa;
  • promover o surgimento de projetos de melhoria da eficiência energética das operadoras públicas e privadas.

Inserir as economias nas tocas mundiais

avião Boeing 787, Ethiopian Airlines, transporte, aéreo

INSERIR AS ECONOMIAS NAS TOCAS MUNDIAIS

Com mais de 10 bilhões de toneladas transportadas, o transporte marítimo representa hoje, en volume, cerca de 90% do comércio mundial: é o espinho dorsal do desenvolvimento econômico dos países. Em comparação, o frete aéreo representa volumes pouco expressivos, mas possui um forte valor agregado (35% do valor mundial). Por sua vez, o transporte aéreo de passageiros explodiu, com cerca de 3 bilhões de passageiros transportados. No total, o transporte aéreo geraria cerca de 3,5% do PIB mundial.

A redução do isolamento e a integração nas trocas internacionais são uma condição do desenvolvimento econômico, especialmente para os territórios insulares e para a África, que sofre de um atraso de infaestruturas. A nossa atuação visa os seguintes objetivos:

  • Romper o isolamento dos territórios para permitir a sua integração nas trocas econômicas internacionais, com uma intervenção prioritária na África e nos territórios ultramarinos franceses.
  • Favorecer o efeito de alavanca das grandes plataformas portuárias e aeroportuárias de trocas internacionais sobre o desenvolvimento equilibrado dos territórios, por meio de uma melhor integração com as redes rodoviárias e ferroviárias.
  • Apoiar as autoridades locais para melhorar a eficiência dos corredores logísticos regionais.
  • Acelerar a necessária transição energética dos setores marítimos e aeroportuários
  • Melhorar a segurança do transporte internacional.

Acelerar a transição energética

estação do metropolitano, Kochi, Índia, transporte

ACELERAR A TRANSIÇÃO ENERGÉTICA

O setor dos transportes é responsável por 23% das emissões mundiais ligadas à geração e ao consumo de energia. É também o setor onde as emissões crescem mais rápido, especialmente nos países emergentes: a urbanização galopante, conjugada com o desenvolvimento econômico, redundam no forte crescimento da demanda de mobilidade e da motorização individual. Sem uma ação pro-ativa, essas emissões irão crescer 140% até 2050, 90% dos quais provenientes dos países do Sul.

As soluções para uma mobilidade de baixo carbono existem. Elas combinam quatro dimensões chave para a transição energética do setor: 

  • evitar os deslocamentos motorizados de pessoas e bens por meio de um urbanismo mais compacto e misto, ou favorecendo as soluções a distância (teletrabalho, e-administração etc.)
  • transferir os deslocamentos para modos de baixo carbono, ao financiar uma rede de transporte coletivo de qualidade e desincentivar o uso do carro individual nos centros das cidades
  • melhorar os fatores de emissões dos veículos e dos combustíveis por meio da modernização dos parques, da promoção das motorizações de baixo carbono (mobilidade elétrica, bem como híbrida ou a gás) e da regulamentação.  
  • tornar essas ações possíveis por uma governança eficiente, integrada e responsável, e pela efetiva implementação das medidas planejadas e a avaliação dos seus impactos.
1,8
bilhão de euros investido no contexto dos transportes e da mobilidade em 2022
8,8
milhões de pessoas terão melhor acesso ao transporte sustentável como resultado dos projetos financiados em 2022
79%
dos compromissos no setor de transportes possuem um cobenefício climático

Rápido crescimento da população, globalização das trocas... A demanda de mobilidade, de pessoas assim como de bens, não para de crescer. Até 2030, o tráfego anual de passageiros aumentará 50% em relação a 2015, e 70% para o frete. Serão 1,2 bilhões de automóveis a mais nas estradas.

São muitos os desafios. Hoje ainda, a maioria da população africana não tem acesso a uma estrada transitável o ano todo a menos de 2km. As comunidades das grandes cidades em desenvolvimento não têm acesso às oportunidades econômicas e sociais. Dar um acesso universal à mobilidade pressupõe o investimento de montantes fabulosos em infraestruturas e serviços de mobilidade, e ser capaz, em seguida, de dar manutenção a essa rede. Os sistemas de mobilidade devem ser eficientes, tanto na sua concepção quanto na sua operação. Além disso, as questões de segurança tornam-se cada vez mais prementes com o aumento da mortalidade no trânsito.

Por fim, o último desafio é de ordem ambiental: o setor, que ainda consome muita energia fóssil (1/3 das emissões fósseis), deve integrar o combate à poluição do ar e às emissões de gases de efeito estufa.

Para enfrentar esses desafios,  a AFD apoiará o desenvolvimento de sistemas de mobilidade:

  • inclusivos e acessíveis por todos, com boa cobertura e tarifação adaptada
  • bem geridos, eficientes e de qualidade
  • seguros, com uma dimensão de segurança no trânsito, e uma atenção para a insegurança das mulheres nos transportes e nos espaços públicos
  • sustentáveis, por meio de soluções capazes de reduzir as emissões de gases de efeito estufa ligadas ao transporte urbano.

Em 2022, o compromisso da AFD no setor de mobilidade e transportes alcançou 1,8 bilhão de euros e se distingue por sua concentração em projetos de mobilidade urbana.

Interactive map
This map is for illustrative purposes only and does not engage the responsibility of the AFD Group
Iniciar a pesquisa
See map of all projects

News & Events

Brasil: os desafios de Curitiba

Diante da pressão demográfica e do número cada vez maior de automóveis, Curitiba vem redobrando esforços para manter a sua imagem de líder brasileiro em matéria de sustentabilidade e combate às mudanças climáticas.